SUSCRIBIR NEWSLETTER

Newsletter semanal

* campo obrigatório

Guatambu Nature Extra Brut

 

Um belo espumante da Campanha gaúcha

 

 

 

 

Nome Comercial: Guatambu Nature

Variedade: Espumante Método Tradicional Extra Brut

Casta: Chardonnay

Alc. Vol.: 12,5 %

Enólogo: Alejandro Cardozo

Produtor: Guatambu Estância do Vinho, Dom Pedrito / RS – Brasil



Apresentado no mercado faz alguns meses, ainda não tínhamos degustado, mas, ouvimos falar dele muito bem. Hoje chegou o momento de tirar a rolha, e experimentar este belo espumante gaúcho.



Trata-se de uma produção de apenas 3.600 garrafas numeradas de um lote muito especial elaborado pelo método tradicional. As uvas Chardonnay cultivadas na Serrinha de Dom Pedrito, e colhidas no ponto ótimo de amadurecimento são as que dão origem a um borbulhante fino, delicado e complexo.



Vinificado sob a supervisão do enólogo uruguaio Alejandro Cardozo, este espumante exibe cor pálida esverdeada com reflexo prata. O seu perlage é fino e persistente, com formação de mousse no alto da taça.

 

 



Na boca se percebe com boa expressão de fruta branca, grande volume, leve tostado, frutos secos, especiarias, e acidez bem equilibrada. Ótimo para quem gosta do estilo semi-maduro, mas, sem excesso de notas de fermentos, já que a bebida mantem muito bom frescor.



O seu lugar na mesa esta – por exemplo – ao lado de canapés de salmão com ervas, costelinha de pacu grelhada em molho agridoce, e spaghetti com cogumelos ao creme. Beber na casa dos 6 – 8º C.





Mayor información sobre a Guatambu Estância do Vinho em:

www.estanciaguatambu.com.br



 
Inovação se da mão com tradição na Viña Progreso

Conheça o trabalho do enólogo Gabriel Pisano em sua "Vinícola Experimental"

 

 

 

 

Existem dois caminhos para quem nasce dentro de uma família de vitivinicultores. Um deles – com certeza, o mais trafegado – é o de seguir com a tradição familiar sem sair-se dos esquemas já pautados, dando continuidade ao estabelecido pelas gerações anteriores. Outro, o de inovar, procurando opções, novos conceitos, e que desde o que no início pode ser intitulado de “experimental” se faça viável um caminho que permita que esses sonhos tomem forma, claro está, baseado em sólidos conhecimentos e amor pelo que se faz.

 

 

Esse foi o caminho que empreendeu o jovem enólogo Gabriel Pisano (28) quando logo depois de sua formatura no Uruguai, e viajar pelo mundo, trabalhando junto de grandes nomes do vinho em regiões de fama indiscutível, no seu retorno, e sem deixar de integrar o equipe técnico da vinícola familiar, fundou Viña Progreso, uma pequena “vinícola experimental” na qual – com toda a experiencia adquirida no exterior, aliada ao profundo conhecimento do terroir no qual nasceu (literalmente) – colocou na proba sua visão.

 

 

Já desde os seus inícios – no ano 2006, sua primeira vindima para esse projeto – engarrafou caldos de estilo muito pessoal, moderno, e descomplicado, onde a expressão da fruta foi destaque por acima de tudo conceito, refletindo sua interpretação dos vinhos do Uruguai, em particular, os da região de Progreso, fato que fez que ficarem de olho os apreciadores, experts, e o mercado internacional, onde na atualidade são exportados os seus vinhos.

 

Enólogo Gabriel Pisano

 

 

Recebendo todo o apoio e conhecimentos transmitidos pelo seu pai (Eduardo) e pelos seus tios (Daniel e Gustavo) o próprio Gabriel somou isso ao trabalho e experiencia adquirida no lado de winemakers de fama mundial como David Ramey (Sonoma – Califórnia), Beyers Truter (Stellenbosch – Africa do Sul), e Michel Rolland (com quem trabalhou em Clos Apalta – Colchagua, Chile) logrando dessa forma se converter num dos enólogos uruguaios mais inovadores e dotados de um know-how destacável.

 

 

Por outro lado, praticas como colher suas uvas em diferentes momentos de amadurecimento, e combinar elas com técnicas de vinificação muito particulares (como as apreendidas no Priorato na adega Mas Doix de Catalunya) lhe conferiram ao Gabriel os conhecimentos para obter ótimos resultados com partilhas limitadas e exclusivas que rara vez excede as 5.000 garrafas por rótulo.

 

 

Isso lhe permitiu ser o primeiro enólogo uruguaio em experimentar com fermentações com “barrica aberta”, que não tardarem em se converter num diferencial de sucesso entre consumidores que valorarem o macio, a fruta, singularidade e equilíbrio entre estrutura e taninos do Tannat vinificado desse jeito.

 

 

 

Os rótulos usados nas garrafas são também outros diferenciais da Viña Progreso. Desenhos feitos pela sua tia Elisa são os que fazem parte do cuidado, e na sua vez chamativo packaging das duas líneas (coleções) de Viña Progreso, divididas em “Underground” composta por vinhos raros e exclusivos, e “Overground” que consiste em castas menos tradicionais cultivadas em Uruguai, caso da Viognier, Sangiovese, Syrah, Petite Syrah, Cabernet Franc, sem esquecer claro, a clássica Tannat.

 

 

À venda em mercados como o do Brasil, onde chegam através da Importadora Vinci www.vinci.com.br os vinhos de Viña Progreso são uma boa indicação para todo o consumidor que procura novas sensações, para os que têm vontade de fugir do tradicional, e que nos vinhos elegantes (sem as concentrações extremas tão à moda) propõem desfrutar de rótulos gastronômicos e na sua vez fáceis de beber.

 

 

Fruto do conhecimento da região de Progreso, coração vitivinícola do Estado de Canelones, e pela interação entre Gabriel Pisano e viticultores que cultivam os seus vinhedos de alta qualidade com os que o próprio winemarker têm contratos de palavra (uma coisa que neste canto do mundo é respeitado ainda mais que a própria assinatura) e assessorando eles durante todo o ciclo da videira, é que desde o Uruguai surgem estes vinhos de perfil moderno. Vinhos que hoje chegam em mercados tão exigentes como os de Alemanha, Brasil, Suiça, e Suécia, dando testemunha que quando inovação e tradição se somam, dão como resultado uma fórmula de sucesso.

 

 

 

 

Alguns rótulos da Viña Progreso 

 

 

Reserva Vignier 2012 

 

De uvas cultivadas em Progreso (localizado 25 km do Río de La Plata) é que nasce este branco de aromas elegantes e intensos de frutas brancas como o pêssego e as ameixas amarelas, somadas às notas florais e leve mineralidade que seduze por sua complexidade e estilo. Na boca se mostra limpo, com muita fruta, e a sua vez profundo, sendo uma explosão de sabores exóticos próprios dos vinhos de qualidade feitos no Novo Mundo. Ótimo se harmonizado com bobó de camarão.

 

 

Syrah Rosé 2012 

 

Uma cor rosa muito viva que seduze no visual, e a expressiva mistura de flores com especiarias no nariz, são apenas dois motivos que incitam tirar a rolha deste rótulo pouco comum para a vitivinicultura uruguaia. Na boca, a intensidade da fruta bem amadurecida, a acidez bem equilibrada, e um final de paladar com permanência meia se configuram para que tudo se combine numa experiencia sensorial que pode ser melhor ainda se procura harmonizar o vinho com umas bruschetas de tomate confit e presunto cru.

 

 

Sueños de Elisa Open Barrel Tannat 2011 

 

Criação sublime do enólogo Gabriel Pisano, este vinho que é feito das melhores uvas da vindima e elaborado só em safras excepcionais, é fruto de uma muito cuidada elaboração na qual as barricas abertas, afundando manualmente os bagaços, e a fermentação com leveduras salvagens, dão como resultado um produto de características muito peculiares. De cor violácea quase preto e reflexos muito vivos, é um vinho que no nariz expressa toda a fruta do Tannat combinada com os sutis aromas da nobre madeira (carvalho) as especiarias, e um toque mineral muito interessante. Na boca se mostra com muita fruta, com a potência típica dos Tannat de raça, mas, sem a adstringência que pode apresentar um vinho jovem desta casta. Encorpado, de grande volume, e a sua vez elegante, é um vinho que faz boa harmonização com uma picanha às brasas acompanhada de farofa bem temperada e batatas à creme.

 

 

 

Maior informação sobre Viña Progreso no web site:

 

www.vinaprogreso.com

 

 

 
Carlos Balmaceda e seus vinhos ARROBA

Uma aposta à qualidade com vinhos "de autor" de edições únicas

 

 

 

De todos os produtores que visitamos em Mendoza nesta passada Semana de Páscoa, o Carlos Balmaceda é o único que não possui vinhedos e adega própria, não por isso seus vinhos deixam de ser das propostas mais interessantes que experimentamos entre algumas quantas dúzias de caldos “mendocinos”, e que fique claro: não nos limitamos apenas para os Malbec's neste caso.

 

Assim pois, este artigo não falará de grandes estruturas de vinificação, de grandes investimentos em áreas o setores enoturísticos, ou de centos de hectares de vinhedos, e sim da qualidade humana de quem está detrás dessas garrafas, dos vinhos conteúdos dentro das mesmas, e do projeto de alguém que sabe de vinhos, e muito.

 

Arroba é o nome dos vinhos (uma media dúzia de rótulos com forte ênfases nos tintos) desse projeto pessoal e familiar que Carlos iniciou no ano 2002 como uma nova etapa em seu desarrolho e trabalho profissional, o que conta já com mais de um quarto de século.

 

Conhecemos ao enólogo Carlos Balmaceda, e a sua simpática esposa Olga no ano passado num concurso internacional no Brasil, onde coincidimos como jurados, e daquele momento em mais se forjou una linda amizade, a mesma que nos levou alguns meses depois em visitar-lhe na sua casa em Mendoza (ao mesmo tempo que Carlos se recuperava de uma cirurgia)

 

Enólogo Carlos Balmaceda

 

É desses caras frontais, diretos, e com os que se pode ter uma conversa de verdade e sem voltas, sobre vinho e sobre outros prazeres da vida. O amor que ele sente ao falar de suas criações (seus vinhos) deixa ver mesmo essa paixão, e o esmero que os anos de trabalho têm sabido lhe ensinar. Há algo que Carlos tem bem presente, e isso é que a intervenção do homem e sua tarefa nesta área da enología se trata principalmente de preservar o que a natureza tão sabiamente nos da de presente.

 

Seus vinhos são obras irrepetíveis, edições únicas, nenhum se parece ao outro, conjugando o saber fazer com essa paixão, arte, ciência e experiencia que da como resultado um produto diferenciado, elegante, e por que não, também sofisticado.

 

O branco elaborado com Torrontes (degustamos o da safra 2010) é um vinho com caráter, com a fruta e as flores que só o Torrontes Saltenho – de Cafayate – pode mostrar, pero com a sobriedade necessária para se converter num vinho gastronômico e de grande elegância, ótimo para harmonizar com umas empanadas (pasteis) de humita e um mix de folhas verdes com crocantes de batata-doce.

 

Seu Malbec Roble 2007 conjuga toda a potência da casta emblema da Argentina, com os taninos arredondados e macios, as especiarias da madeira bem amalgamada, a carnosidade e suculência da fruta vermelha na sua justa madurez. Um vinho que quase se pode mastigar, e que faz um excelente jogo ao lado de um mal passado file “bife de chorizo”, por excelência o corte de gado mais bem-sucedido da “parrilla” argentina.

 

Carlos sabe muito bem onde adquirir as uvas que dão origem a seus vinhos. As zonas altas do Valle de Uco em Mendoza (de onde bem seus tintos) e Cafayate em Salta (onde escolhe as melhores uvas Torrontes) são dois locais geográficos que ele bem conhece, e onde só produtores que trabalham com altíssima qualidade podem atingir o padrão ótimo da uva que é necessária para os vinhos Arroba.

 

Mas, o melhor é seguir provando e tirar as próprias conclusões, já que Arroba se apresenta em variadas opções, inclusive num borbulhante Extra Brut de muita boa elaboração. Vinhos de autor que podem ser adquiridos inclusive no Brasil através da Berenguer Imports www.berenguerimports.com.br uma casa que com grande sucesso bem comercializando, e colocando a disposição de apreciadores essas joias que a enología argentina guiada pelas mãos de Carlos Balmaceda hoje nos presenteia.

 

Vale a pena experimentar!

-----------------------------------------------------------------------------------------

 

 
Miolo conquista onze medalhas

Reconhecimento no 8º Concurso Nacional de Vinhos Finos e Destilados do Brasil - Concurso Mundial de Bruxelas / Brasil 2012

 

 

 

 

Onze rótulos da Miolo Wines S.A foram premiados durante o 8º Concurso Nacional de Vinhos Finos e Destilados do Brasil, que ocorreu a semana passada em Santana do Livramento (RS). Organizado pelo Concurso Mundial de Bruxelas, o evento concedeu a medalha Grande Ouro ao Quinta do Seival Cabernet Sauvignon e ao Cuvée Giuseppe. Outros sete vinhos da marca receberam distinção de Ouro e dois de Prata.

Participaram do concurso 210 amostras de vinhos (brancos, tintos e espumantes) e 38 destilados.

 

 

Confira todos os rótulos premiados da Miolo:

 

GRANDE OURO

Quinta do Seival Cabernet Sauvignon 2008

Miolo Cuvée Giuseppe Cabernet Merlot 2009

 

OURO

Merlot Almadén 2011

Cabernet Sauvignon Rosé Almadén 2011

Miolo Seleção Pinot Grigio / Riesling 2011

Espumante Meio-Doce Almadén

Gewurztraminer Almadén 2011

Cabernet Sauvignon Almadén 2010

Miolo Seleção Tempranillo/Touriga 2010

 

PRATA

Tannat Almadén 2011

Rar Collezione Viognier 2010

 

 

Texto: Sabrina Silveira (Moglia Comunicação Empresarial)

 

 

Conheça mais de Miolo no site: www.miolo.com.br

 

 
Borbulhas made in Canelón Chico

Carlos Pizzorno e seus espumantes

 

 

 

No Uruguai na atualidade ainda são poucos os vinhos espumantes de qualidade que se produzem. Da para serem contados com os dedos das mãos e numerar os que verdadeiramente valem a pena!

 

Um deles é o Espumoso Natural Brut Nature que elabora a Pizzorno Family Estates, uma pequena vinícola familiar fundada no ano 1910 pelo Don Próspero Pizzorno, e atualmente dirigida pelo seu neto, o enólogo Carlos Pizzorno.

 

 

Uma bela amanhã deste mês de novembro, o Carlos Pizzorno nos esperava em sua vinícola de Canelón Chico (Canelones) para falar sobre a elaboração de seus borbulhantes, além de visitar o vinhedo no qual se fez a produção de fotos, mostrar-nos as novas obras – já terminadas – da ampliação feita na vinícola, e claro, degustar esse muito bom produto que vem elaborando já faz alguns anos.

 

Trata-se de um espumante de cor amarelo-esverdeado muito suave e brilhante, de abundantes e finas borbulhas que no seu ascender na taça formam um “colar de pérolas” que termina formando boa espuma. De aromas a frutos de polpa branca, com toques cítricos e leves tons de fermentos (pão tostado, leveduras) que seduze já no nariz.

 

Na boca percebe-se com uma entrada amável e refrescante, de volume e cremosidade media, com um bom desarrolho no paladar e que convida em seguida para um segundo gole. Com agradável final e acidez muito bem equilibrada, esse é um produto ótimo para ser harmonizado com queijos suaves, saladas verdes, peixes, mariscos, ceviche, e tudo tipo de frutos do mar, assim como canapés frios e quentes.

 

Elaborado a partir da casta Chardonnay, com uma pequena porcentagem de Sauvignon Blanc (8 a 12 % dependendo da safra) a dica é beber numa temperatura de consumo que esteja na casa dos 5 – 6 graus, claro esta, sempre servindo em taças tipo flaute.

 

Pero não apenas esse rótulo espumante nos oferece o Pizzorno; também conta com um produto de alta gama, batizado com o nome de Espumoso Natural Reserva. Essa é outra versão que a casa coloca na consideração dos consumidores, onde ao igual que no primeiro caso, a intervenção e atento olhar do Carlos Pizzorno se conjuga com o olhar do enólogo Marcelo Laitano, sempre na busca e procura da excelência, com a finalidade de oferecer um produto excepcional.

 

De cor amarelo com leves reflexos dourados, esse espumante elaborado a partir de vinhos base das castas Chardonnay e Pinot Noir, oferece uma opção com um estilo mais maduro que o de seu antecessor. Aromas a frutas brancas e vermelhas maduras, aporte marcante de fermentos, casca de cítricos, especiarias, e defumados leves, se conjugam num borbulhante complexo e que esta na altura dos paladares mais exigentes.

 

Esse último, um vinho ótimo para se harmonizar com pratos de alta gastronomia, como carnes brancas recheadas, lagosta, caranguejo (e outros tipos de crustáceos) além de queijos como Brie, Camembert, e outros de pasta semi-macia. Para beber na casa dos 7 – 8 graus.

 

 

Se algo tem em comum as duas versões, isso é que sua ótima qualidade convida para o brindes, especialmente nesta época do ano no qual nos aproximamos no Natal e Réveillon, duas datas ideais para tirar a rolha, dar de presente e/ou presentear-se com essas maravilhosas borbulhas.

 

 

Maior informacão sobre Pizzorno Family Estates:

 

www.pizzornowines.com

 

 
« StartPrev12345678910NextEnd »

Page 6 of 10




Copyrigth 2010 - Todos los Derechos Reservados por Daniel Arraspide - Designed by Pandemia Hosting Uruguay.